O que somos

Uma Concertação pela Amazônia é uma rede de pessoas, instituições e empresas formada para buscar soluções para a conservação e o desenvolvimento sustentável deste território.

Reunimos mais de 400 lideranças engajadas e criamos um espaço democrático para que as dezenas de iniciativas em defesa da Amazônia se encontrem, dialoguem, aumentem o impacto de suas ações e gerem novas propostas e projetos em prol da floresta e das populações que vivem na região.

Uma Concertação
pela Amazônia em números

0
organizações
0
lideranças
0 %
da Amazônia
Rede
A Concertação é uma frente ampla que reúne diversos atores, como academia, setor privado, lideranças empresariais, governo, comunidades locais, filantropia e sociedade civil. Seus mais de 400 integrantes atuam, direta ou indiretamente, na Amazônia. O ponto comum que os une é o desejo de levar a um novo patamar um debate plural e democrático sobre a preservação e o desenvolvimento sustentável da região.

Participantes
da concertação

Abrão Neto

Amcham Brasil

Adnan Demachki

Adnan Demachki Advogados Associados

Adriana Moreira

Banco Mundial

Adriana Ramos

Instituto Socioambiental (ISA)

Alan Rigolo

Instituto Arapyaú

Alexandre Mello

IBRAM

Amalia Safatle

Página 22

Amanda Schutze

Climate Policy Initiative (CPI)

Ana Alice Biedzicki

Câmara Legislativa do DF

Ana Carolina Szklo

Instituto humanize

Ana Cristina Barros

Climate Policy Initiative (CPI)

Ana Marina de Castro

Nexus Global

Ana Toni

Instituto Clima e Sociedade (iCS)

André Guimarães

IPAM

Andrea Alvares

Natura

Andrea Azevedo

Fundo JBS

Anna Livia Arida

Human Rights Watch

Antonio Salles

Mandi Ventures

Arminio Fraga

Gavea Invest

Augusto Corrêa

Parceiros Pela Amazônia

Bastiaan Reydon

Kadaster/UNICAMP

Beatriz Bracher

Itaú/ Escritora

Beatriz Saldanha

Tree Tap

Beto Veríssimo

Imazon e Amazônia 2030

Caio Magri

Instituto Ethos

Grupos
de trabalho

Bioeconomia

Objetivo: Esta frente nasceu motivada pela existência de diferentes interpretações sobre bioeconomia no contexto da Amazônia, e por suas implicações para os modelos de negócios sustentáveis e políticas públicas que o grupo busca fortalecer. O foco é escalar a bioeconomia valorizando a sociobiodiversidade do Brasil. Para tanto, o GT se propõe a promover a articulação de redes de empreendedores, financiadores, gestores públicos, lideranças locais e empresariais, entre outros.

Entregas: proposta de framework para bioeconomia na Amazônia; realização do 1º Fórum de Inovação em Investimento na Bioeconomia Amazônica; white paper para a sessão “O que significa bioeconomia?”, do Global Landscape Forum Amazônia 2021.

Educação

Objetivo: Construir processos em educação que impactem positivamente a conservação e uso sustentável da Amazônia é a finalidade desta frente. O grupo acredita que as ações estruturantes para o tema na Amazônia passam por inserir a região nos currículos de ensino de todo o Brasil, integrar o mundo do trabalho a partir da educação profissional e técnica como parte do desenvolvimento da região, apoiar a melhoria da infraestrutura de conectividade, e letramento midiático e educação para a democracia.

Entregas: concepção do programa Itinerários Amazônicos, com foco no Ensino Médio, para implementação nas escolas públicas, em 2022 (em andamento).

Inteligência Política

Objetivo: Se propõe a monitorar e analisar temas socioambientais no legislativo e executivo federais e no debate público. Por meio desse monitoramento ativo, o grupo busca antecipar-se a pautas e mudanças no cenário político e diminuir o déficit informacional e de inteligência política de organizações do campo socioambiental que trabalham com ação política, mobilização, incidência e advocacy.

Entregas: relatórios semanais, com resultados do monitoramento executivo, legislativo e debate público, com reflexão coletiva acerca das informações trazidas pelos produtos; relatórios analíticos e temáticos, a partir de temas pré-definidos com o grupo (mercado de carbono, licenciamento ambiental, regularização fundiária, entre outros).

Narrativas

Objetivo: O GT Narrativas se reuniu com o propósito comum de buscar, testar e estimular narrativas contemporâneas sobre a Amazônia, que desbanquem paradigmas historicamente estabelecidos, e que auxiliem a reconectar a região com a identidade do cidadão brasileiro e a reinserir o Brasil na geopolítica global.


Cultura

Objetivo: É um espaço de diálogo e ação sobre a diversidade sociocultural da Amazônia. O grupo busca formas de revelar essa diversidade, de modo que a arte e a cultura ultrapassem o aspecto ilustrativo e de entretenimento, e passem a ser consideradas como fontes de informação sensível e envolvimento com esse território.

Entregas: inserção da dimensão cultural, com artes e artistas da Amazônia, em todos os ambientes e ações da Uma Concertação pela Amazônia (plenárias, webinares, produtos de conhecimento, entre outros).

Engajamento do Setor Privado

Objetivo: Tem como principal objetivo unir esforços e vocalizar compromissos empresariais sobre temas relevantes para a Amazônia. Assim, por meio de um alto nível de articulação do setor privado, o grupo busca posicionamentos que levem a ações concretas e mudanças estruturais a partir do protagonismo das empresas como geradoras de impactos positivos no desenvolvimento da Amazônia.

Juventudes

Objetivo: Busca ouvir, inserir e representar as diferentes vozes de uma população representada por quase 50 milhões de brasileiros, entre 15 e 29 anos, nas discussões relacionadas ao presente e ao futuro da Amazônia. O grupo utiliza esse espaço como um ambiente de articulação e empoderamento das diferentes juventudes, com potencial de capilaridade em todo território amazônico, e atua de forma transversal, consultiva e construtiva em todas as frentes de atuação da iniciativa.

 

Ordenamento Territorial e Regularização Fundiária

Objetivo: Este GT entende que o ordenamento territorial e a regularização fundiária são processos necessários para promover o desenvolvimento sócio econômico e frear o desmatamento na Amazônia. Para tanto, o grupo se propõe a qualificar do debate acerca desses temas, identificando os gargalos, ambiguidades e o que pode ser feito para superar o caos fundiário na região. O grupo também busca congregar todos os atores-chave envolvidos nessa dinâmica, debatendo, gerando e compartilhando conhecimento, bem como à articulação para implementação de projetos pilotos, que possam servir como exemplos de possíveis caminhos para superação de barreiras históricas ao avanço dessas agendas.

Entregas: guia com quatro perguntas-chaves sobre regularização fundiária e mudança de marco legal; paper “Ordenamento Territorial e Regularização Fundiária na Amazônia: do caos à superação” (em andamento).