Um encontro entre iniciativas

A 8ª plenária da Concertação promoveu Um encontro entre iniciativas para apresentar dois documentos que serão compartilhados com a comunidade internacional na COP26: Uma agenda pelo desenvolvimento da Amazônia (da rede da Concertação) e Clima e Desenvolvimento: visões para o Brasil 2030 (processo apoiado pelo Instituto Clima e Sociedade).
Compartilhe nas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A 8ª plenária da Concertação promoveu Um encontro entre iniciativas para apresentar dois documentos que serão compartilhados com a comunidade internacional na COP26: Uma agenda pelo desenvolvimento da Amazônia (da rede da Concertação) e Clima e Desenvolvimento: visões para o Brasil 2030 (processo apoiado pelo Instituto Clima e Sociedade).

Realizada em 18 de outubro, a plenária foi palco de amplo debate e troca de ideias em torno das conclusões e metas dos estudos, além de oferecer aos participantes a oportunidade de assistir a trechos do mini documentário Cipó de Jabuti – Histórias Ribeirinhas da Amazônia e conversar com sua coprodutora e coautora, a jovem ribeirinha Odenilze Ramos.

Fruto de 18 meses de trabalho coletivo e centenas de contribuições de diversas frentes, Uma agenda pelo desenvolvimento da Amazônia teve seu lançamento anunciado por Roberto Waack, presidente do Conselho do Instituto Arapyaú, que pontuou que o conteúdo tem como maior ambição ser um documento provocativo, e não definitivo. 

O documento Clima e Desenvolvimento: visões para o Brasil 2030, por sua vez, é resultado da contribuição de mais de 300 pessoas, incluindo membros da Concertação. Para Ana Toni, diretora do Instituto Clima e Sociedade (iCS), o principal achado do estudo é o de que a política brasileira para o clima não se sustenta isoladamente, mas precisa ser parte de uma política de desenvolvimento que se fundamente na transição para uma economia de baixo carbono e de justiça social. O documento tem por objetivo, além das discussões na COP26, sensibilizar e pontuar o debate eleitoral que ocorrerá no Brasil em 2022.

O estudo foi liderado por Emilio Lèbre La Rovere (Coordenador do Centro Clima e membro do IPCC) e por Natalie Unterstell (presidente do Instituto Talanoa). Emilio detalhou as conclusões do documento, que aborda três cenários de desenvolvimento para o país e suas emissões, tendo por metas permitir a retomada do crescimento econômico, a neutralização das emissões até no máximo 2050, o atendimento dos compromissos assumidos no Acordo de Paris, a redução da desigualdade econômica e a promoção da qualidade de vida da população.

Natalie Unterstell destacou que, de acordo com os estudos, não é preciso escolher entre desenvolvimento e redução de emissões, uma vez que mesmo o cenário mais ambicioso resulta em crescimento econômico (no mínimo, equivalente ao da alternativa de permanência dos parâmetros atuais) e levam a uma melhoria do emprego e da renda. 

Com falas muito apreciadas por todos, Odenilze Ramos relatou a dificuldade de falar sobre as populações da Amazônia em razão da sua invisibilidade. Segundo ela, que trabalha com mobilização jovem e articulação de projetos de turismo sustentável, as mudanças do clima são uma realidade na região e já são sentidas principalmente pelos ribeirinhos, mas é preciso adaptar o discurso para a realidade dessa população se queremos estabelecer um diálogo e promover engajamento.

Os participantes ainda debateram sobre a possibilidade da venda de créditos de carbono de áreas públicas por meio de outorgas, visando a conservar a floresta em pé; a necessidade da redução das emissões da pecuária; e a piora das condições sociais na Amazônia que tem levado ao esgarçamento do tecido social e à presença crescente do crime organizado na região, com relevante impacto sobre o desmatamento.

A estas questões, Natalie Unterstell ponderou que os autores dos documentos reconhecem as dificuldades e complexidades atuais, mas optaram por manter a ambição e traçar caminhos para a promoção de mudanças significativas rumo à neutralização das emissões, ao desmatamento zero, ao crescimento da renda e à redução das desigualdades.

Arte: Rui Machado

Compartilhe nas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Notícias similares

Elos da Amazônia
12 janeiro, 2022
Está no ar a Chamada Elos da Amazônia 2022, com inscrições até 06/02!
Página 22
10 janeiro, 2022
O apelo da floresta em pé